segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

COMO MANTER AS CONQUISTAS

Texto: II Timóteo 3.10 - 17

Introdução: Conquistar depende de estratégias, mas para manter a conquista é necessário buscar a cura da alma, calar os argumentos, desbaratar os adversários espirituais, e andar segundo princípios estabelecidos na Palavra de Deus. Vejamos estes princípios na vida de Paulo, que foram transmitidos a Timóteo, e são aplicáveis em nossas vidas.

1. Ensino: Uma característica importante no ministério de Jesus foi o ensino (Atos 1.1). Sem o ensino não há consolidação. Sem ensino não há como as pessoas agirem de maneira correta. Em Mateus 28.20 Jesus nos diz: “ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E Eu estarei sempre com vocês, até os fins dos tempos.

2. Procedimento: Necessária mudança radical na maneira de pensar, transacionando a mente de perdedor para conquistador, enxergar vitória mesmo em meio ao impossível. Quando mudamos a mente as nossas atitudes serão mudadas imediatamente. Para isto é necessário a busca incessante da cura da alma, isto é, libertar-se dos traumas e dos exemplos de derrotismos, que foram assimilados ao longo da vida (Romanos 12.2).

3. Propósito: As pessoas precisam assimilar as metas, os projetos de conquistas, a direção. Quem anda sem direção e metas, sem saber aonde chegar e quando chegar, certamente não experimentará a conquista dos sonhos.

4. Fé: Não só falar, mas viver pela fé. Hebreus 10.38: “O meu justo viverá pela fé. E, se retroceder, não me agradarei dele.”

5. Paciência: É necessário ter paciência com relação aos desafios que enfrentamos ao longo da vida. Mesmo que o choro dure uma noite, porém, a alegria certamente chegará ao amanhecer. E também, é necessário ter paciência com os discípulos, eles estão sendo gerados. O Salmo 40 diz: “Coloquei toda minha esperança no Senhor; ele se inclinou para mim e ouviu o meu grito de socorro.”

6. Amor: Não é uma mera sensação ou empolgação, mas uma atitude baseada no exemplo de Jesus que foi até o fim em seu projeto de salvação do ser humano que tinha se perdido. Paulo em I Coríntios 13.4-7 nos dá a medida certa do amor verdadeiro, o amor ágape. Quem ama não faz acepção de pessoas. Quem ama não vê o pecado, o mau cheiro, a feiúra, não busca as deficiências, pois o amor encobre tudo isto. O amor supera as diferenças.

7. Perseverança: Continuar mesmo na hora da adversidade, na hora das portas fechadas e no apagar das luzes, mesmo recebendo relatórios desanimadores, sabendo que o Senhor é fiel para trazer a confirmação da obra das nossas mãos (Hebreus 10.38, Hebreus 6.10-15, I Coríntios 15.58).

8. Perseguições: É uma realidade na vida daqueles que tem grandes sonhos e caminham para conquistá-los. As oposições podem surgir, porém, podemos olhar para o exemplo de Paulo no versículo 11 e 12 que diz: “...Quanta perseguição suportei! Mas de todas essas coisas o Senhor me livrou!” De fato todos os que desejam viver em Cristo serão perseguidos.

9. Sofrimentos: Os conquistadores terão sofrimentos decorrentes dos desafios que enfrentará ao longo da vida, porém, viverá uma vida abundante e vitoriosa. Romanos 8.38: “Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou.”

Conclusão: Paulo diz a Timóteo: “quanto a você, porém, permaneça nas coisas que aprendeu e nas quais tem convicção.” (v.14).

Hebreus 6.10: “Deus não é injusto; Ele não se esquecerá do trabalho de vocês e do amor que demonstraram por Ele...” Se você ainda não tem conseguido praticar estes princípios, busque em Jesus e o Espírito Santo te ungirá e capacitará.

Nunca se esqueça: quem anda com Jesus enfrentará desafios ao longo da jornada, porém, a conquista é certa. Salmo 1.6 diz: “Pois o Senhor aprova o caminho dos justos...”

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Cristologia: A Humanidade de Jesus

Cristologia: a Pessoa e a Obra de Nosso Senhor Jesus Cristo Parte IV - A Humanidade de Jesus

    "E o verbo se fez carne e habitou entre nós" (Jo 1:14)
            O tópico sobre a humanidade de Jesus não é tão discutido quanto a sua divindade, mas seu estudo é tão importante quanto este. Que Jesus é Deus, todos os cristãos sinceros concordam e entendem, contudo a idéia da sua humanidade, ainda que aceita, não é corretamente entendida, e poucas vezes ensinada.         O credo cristão formula a natureza de Jesus como sendo plenamente Deus e plenamente Homem. Ou seja, o Deus encarnado assumiu completamente a humanidade, tornando-se passível das mesmas limitações físicas e psicológicas comuns a todos os homens. Uma vez que estávamos separados de Deus pelo pecado, foi necessário que o próprio Deus encarnasse para que pudéssemos voltar a ter novamente comunhão com Ele. Dessa forma, a genuinidade da divindade de Cristo garante a eficácia de sua obra realizada na cruz, e a realidade de sua humanidade garante que sua morte é aplicável a todos os seres humanos.         Vejamos o que a Bíblia tem a nos ensinar sobre o aspecto humano da natureza de Cristo. 1. O Testemunho das Escrituras Sobre a Humanidade de Jesus         Há indicações claras na Bíblia que Jesus era uma pessoa plenamente humana, sujeito a todas as limitações comuns à raça humana, mas sem pecado. Como tal nasceu como todo ser humano nasce. Embora sua concepção tenha sido diferente, uma vez que não houve a participação de um ser humano masculino, todos os outros estágios de crescimento foram idênticos ao de qualquer ser humano normal, tanto física como intelectual e emocional. Também no sentido psicológico, era genuinamente humano, pois pensava, raciocinava, se emocionava, como todo ser humano normal. 1.1. Sua Natureza Física.  
    •  Seu nascimento (Lc 2: 6,7): Jesus não desceu dos céus, e sim nasceu de uma mulher humana, passando por todas as fases que uma criança normal passaria.
    •  Sua árvore genealógica (Lc 3: 23-38; Mt 1:1-17): a Bíblia deixa evidente portanto que Jesus teve, por parte de Maria, ancestrais humanos, dos quais provavelmente herdou características genéticas, como todos os homens o recebem de seus antepassados.
    •  Seu crescimento (Lc 2:52): cresceu como toda criança normal cresceria, alimentada por comida e água. Seu corpo não era sobre-humano, e não tinha características especiais, diferentes de qualquer ser humano normal.
    •  Suas limitações físicas: em tudo idênticas aos de um ser humano.


        •  Sentia fome (Mt 4:2; Mc 11:12).
        •  Sentia sede (Jo 19:28)
        •  Ficava cansado (Jo 4:6)
        •  Sofria a dor (Jo 18:22; 19: 2,3) 
        •  
    •  Sua percepção pelos homens (I Jo 1:1; Mt 9: 20-22; 26:12; Jo 20: 25,27): Jesus de fato foi visto e tocado pelos homens a sua volta. Não era um espírito com a forma humana, nem um fantasma, mas um homem real, a ponto de Tomé só acreditar em sua ressurreição após tocá-lo. Mesmo o testemunho do Espírito de Deus afirma que Jesus tomou plenamente a forma humana (I Jo 4: 2,3a).
    •  Sua morte(Lc 23: 46; Jo 19: 33,34): Jesus Podia morrer, como de fato morreu. Sua morte não foi aparente, mas verdadeira. Seu corpo sucumbiu aos sofrimentos infligidos e de fato expirou à semelhança de todos os homens. Esta é talvez a suprema identificação de Jesus com a humanidade, pois sendo Deus não deveria morrer, mas ao assumir plenamente a humanidade, torna-se sujeito a possibilidade da morte. Eis uma verdade tremenda e profunda.
    1.2. Sua Natureza Psicológica e Intelectual  
  •  Quanto ao Caráter Emotivo


    •  Sentia emoções (Mt 9:36; 14:14; 15:32; 20:34): ainda que sentir emoções não seja uma prova da humanidade de Jesus, uma vez que Deus também se emociona, elas demonstram a plena humanidade de Cristo, como também deixam claro algumas reações tipicamente humanas.
    •  Sentia tristeza e angústia (Mt 26:37)
    •  Sentia alegria (Jo 15:11; 17:13; Hb12:2)
    •  Sentia indignação (Mc 3:5; 10:14)
    •  Sentia ira (Mt 21: 12,13)
    •  Se surpreende (Lc 7:9; Mc 6:6): Jesus se mostra genuinamente surpreso perante a fé do centurião e se admira da incredulidade dos habitantes de Nazaré. Não era uma atitude falsa ou de retórica, Jesus realmente era surpreendido em algumas circunstâncias.
    •  Se sente atormentado (Mc 14:33): no Getsêmani Jesus foi tomado de grande angústia e pavor. Estava em conflito íntimo e se atormenta pelo fato de não querer ser deixado só, contudo ainda assim escolhe fazer a vontade do Pai. Mesmo na cruz, sua frase "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" (Mc 15:34), é uma das expressões mais humanas de solidão já registradas na história dos homens.
    •  Se comove e chora (Jo 11:33,35,38): Mesmo sabendo de antemão que Lázaro havia morrido, Jesus é tomado de comoção e chora ao ver a tristeza ao seu redor e a triste realidade humana da morte. A expressão "agitou-se no espírito", retrata vividamente alguém gemendo no íntimo, aflito e comovido com uma situação que trás dor e cansaço.
  •  Quanto ao Caráter Intelectual
    •  Seu conhecimento era superior ao dos homens: em termos intelectuais, Jesus possuía um conhecimento que se destacava em relação aos outros homens. Ninguém na História Humana disse palavras tão belas, de grande profundidade e de maior alcance. Não só isso, Jesus deu claras demonstrações de um conhecimento além da capacidade humana. Sabia o que pensava os seus amigos e inimigos(Lc 6:8; 9:47). Conhecia coisas sobre o presente, pois sabia que Lázaro estava morto (11:14), o passado, uma vez que conhecia o fato da mulher samaritana ter tido cinco maridos (Jo 4:18) e o futuro das pessoas, ilustrado no fato de antemão ter avisado a Simão Pedro de sua negação (Lc 22:33).
    •  Seu conhecimento não era ilimitado: em algumas passagens vemos Jesus fazendo perguntas retóricas afim de reforçar algum ensinamento (Mt 22: 41-45), contudo há outras passagens em que Jesus pergunta sinceramente em busca de informações às quais não possuía. Um exemplo claro foi o caso do garoto acometido de um espírito de surdez e mudez, onde Jesus pergunta ao pai dele "Há quanto tempo isto lhe sucede?" (Mt 9: 20,21). Há nesta passagem uma clara alusão que Jesus não tinha tal informação, e a julgava útil e necessária para promover a restauração daquele garoto. Um outro caso ainda mais explícito foi no discurso apocalíptico em Mc 13:32, quando ao ser interpelado sobre quando voltaria uma segunda vez, Jesus respondeu francamente: "Mas a respeito daquele dia ou da hora ninguém sabe; nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai". Foi uma declaração clara de sua falta de conhecimento sobre essa informação.  [Hélio discorda, ver CristologiaADoutrinaDeusFilho-CursoHelio.htm e Kenosis-EsvaziamentoDeCristoFp2-5-11-Helio.htm]
  •  Quanto ao Caráter Religioso
  •  Participava regularmente dos cultos na sinagoga (Lc 4:16): era de seu costume ensinar nas sinagogas e visitar e participar dos cultos no templo quando estava em Jerusalém. Humanamente mantinha um padrão de vida religioso irrepreensível quanto aos parâmetros de Deus.
  •  Mantinha uma vida de oração (Lc 6:12; 22: 41,42; Jo 6:15): várias ocasiões vemos Jesus sair para orar sozinho ou em grupo. Sua dependência humana do Pai era total e a oração era uma prova disso. Em todas as coisas Jesus se mostrou plenamente humano, tanto no aspecto físico, como no mental. Não havia dúvidas para os autores do NT que Jesus era plenamente homem.
2. Jesus, Plenamente Homem, Totalmente Singular
        Pelos tópicos acima está claro que Jesus assumiu completamente a humanidade, sujeito a todos os reveses que o estado de humanidade poderia lhe trazer, contudo Jesus não um homem qualquer, igual a todos os homens. Vários fatos em sua vida mostram essa santa singularidade:
2.1. O Nascimento Virginal
        Jesus nasceu como todos os homens, no entanto sua concepção no ventre de Maria foi de origem divina, sem a participação do componente sexual masculino (Mt 1:18-25; Lc 1:26-38). Teologicamente chamamos a isso de concepção virginal. Maria era virgem na época da concepção e assim continuou até o momento do nascimento de Jesus. As Escrituras deixam muito claro que José não teve qualquer intercurso com Maria antes do nascimento de Jesus (Mt 1:25).
        A influência sobrenatural do Espírito Santo é que tornou possível a geração de Jesus no ventre de Maria. Isso não significa que Jesus é o resultado de uma relação de Deus com Maria, longe de nós tal idéia. O que Deus fez foi providenciar, por uma criação especial, tanto o componente humano ordinariamente suprido pelo macho (e assim o nascimento ser virginal) como um fator divino ( e assim a encarnação). Assim, o nascimento de Jesus nos aponta algumas verdades essenciais no cristianismo:
  •  Que nossa salvação é sobrenatural (Jo 1:13): a salvação não vem pelo nosso esforço ou realização.
  •  Que a salvação é uma dádiva da Graça (Ef 2:8): assim como não houve nenhum mérito em Maria para que fosse escolhida, da mesma forma acontece conosco quando somos salvos.
2.2. A Impecabilidade de Jesus
Outra prova da singularidade de Jesus como homem é o fato de não ter pecado: "...antes foi ele (Jesus) tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado."(Hb 4:15)
        A Bíblia mostra Jesus como um sumo sacerdote totalmente sem mancha e feito mais alto que os céus (Hb 7:26; 9:14). Pedro nos ensina que Jesus é o Santo de Deus (Jo 6:69) e que não cometeu pecado (II Pe 2:2). O que está de acordo com a afirmações de João, que em Jesus não existe pecado (I Jo 3:5), e as de Paulo que Cristo não conheceu pecado (II Co 5:21).
        Mesmo as acusações de blasfêmia feitas a Jesus pelos judeus são infundadas (Lc 5:21), uma vez que Ele sendo Deus tinha pleno poder para perdoar os pecados. E mesmo algumas pessoas da época deixaram bem claro a inocência de Jesus:
      - A esposa de Pilatos (Mt 27:19): "Não te envolvas com o sangue deste justo". - O ladrão na cruz (Lc 23:41): "este nenhum mal fez". - Judas, o traidor (Mt 27:4): "Pequei, traindo sangue inocente".
        A Bíblia deixa claro portanto a impecabilidade de Jesus, mas isso não invalida as tentações que sofreu como algo de somenos. Foram as tentações genuínas, e embora Jesus pudesse pecar [Hélio discorda, ver CristologiaADoutrinaDeusFilho-CursoHelio.htm e Kenosis-EsvaziamentoDeCristoFp2-5-11-Helio.htm] , era certo que não pecaria. Entretanto alguém poderia levantar a questão: uma pessoa que não pode cair ao ser tentado, de fato experimentou a tentação? Um famoso comentarista bíblico, Leon Morris, argumenta que uma pessoa que resiste até o fim conhece todo o poder da tentação. Dessa forma a impecabilidade aponta para uma tentação muito mais intensa que estamos geralmente acostumados a pensar e sentir. Diz Morris que "O homem  que cede a certa tentação não sente todo o seu poder".
        Uma outra pergunta que fica no ar é: se Jesus não pecou, Ele era realmente humano? Se respondermos não, estaremos incorrendo em gravíssima heresia, pois estamos dizendo em outras palavras que Deus criou o homem naturalmente pecador e portanto Ele é a causa do pecado e o criador de uma natureza má e corrompida. O Senhor é puro de olhos, Ele sequer pode contemplar o pecado (Hc 1:13), quanto mais ser a causa intencional de seres corrompidos pelo mesmo pecado. Não, a resposta não só não é este como a pergunta está formulada de maneira errada, pois estamos de certa forma perguntando se Jesus é tão humano quanto nós. O correto é perguntar:
        Somos tão humanos quanto Jesus? Esta pergunta nos remete a verdade que não temos a humanidade em toda a sua plenitude. Não somos seres humanos genuinamente puros, assim como Jesus o foi. Do ponto de vista bíblico só houve três seres humanos completamente humanos: Adão e Eva (antes da Queda), e Jesus. Todo o restante da humanidade é apenas uma sombra da humanidade original. Nossa humanidade é totalmente conspurcada pelo pecado que tenazmente nos assedia. Somos versões inferiores da versão adâmica original. Dessa maneira Jesus não só é humano como nós, como também é mais humano. É sua humanidade que deve ser padrão para nós e não o inverso.
2.3. A Unidade na Pessoa de Jesus
        Jesus é também singular no que diz respeito a sua pessoa. Sendo Ele Deus perfeito e Homem perfeito, não é duas pessoas ao mesmo tempo. Ainda que seja de difícil compreensão a unificação do ser divino com o ser humano em um único ser, Jesus nos é apresentado dessa maneira nas páginas do NT.
        A falta de referências bíblicas sobre uma dualidade existente na pessoa de Jesus já é claro indicativo que há uma unidade em torno de sua Pessoa. No entanto há textos claros sobre a deidade e a humanidade de Jesus reunidas em um único ser (Jo 1:14; Gl 4:4; I Tm 3:16; I Co 2:8).
A fé cristã enuncia este mistério desde o século cinco da seguinte forma:


"Um só e mesmo Cristo, Filho Senhor, Unigênito, que se deve confessar, em duas naturezas, inconfundíveis e imutáveis, indivisíveis e inseparáveis; a distinção de naturezas de modo algum é anulada pela união, mas pelo contrário, as propriedades de cada pessoa e natureza permanecem intactas concorrendo para formar uma só Pessoa..."
        Jesus ao assumir a forma humana, adquire atributos humanos, mas não desiste de sua natureza divina (Fp 2: 6,7). Quando Paulo fala em Fp que Jesus se esvaziou assumindo a forma de servo, é da posição de igualdade com Deus que Jesus se esvazia e não da natureza divina. Assim Jesus se submete funcionalmente ao Pai e ao Espírito Santo no período da encarnação. Mantém todos os atributos divinos (Cl 2:9), mas os submete voluntária e humildemente ao Pai, não fazendo uso deles a não ser que seja esta a vontade dAquele que o enviou.
        Também deve ficar claro que Jesus não era em algumas ocasiões humano e noutras divino, e nem mesmo um terceiro ser resultante da fusão das duas naturezas. Seus atos sempre foram humanos e divinos ao mesmo tempo. Dessa maneira a humanidade e a divindade são conhecidas de forma mais completa em Jesus Cristo. Não existe melhor fonte para conhecermos como deveria ser o ser humano do que olharmos para Jesus. Ele é o novo Adão e nEle somos feitos novas criaturas, segundo a vontade de Deus (Jo 1:12; II Co 5:17). Mas Cristo também é  nossa melhor fonte para conhecermos como e quem é Deus, pois Ele nos revela de forma mais plena possível o Pai:


"Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou" (Jo 1:8).
"Se vós me tivésseis conhecido, conheceríes também a meu Pai. Desde agora o conheceis e o tendes visto. Replicou-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai e isso nos basta. Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim, vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?" (Jo 14: 8,90).
        Jesus, Nosso Senhor, é alguém totalmente singular entre todas as pessoas que viveram e viverão na face da terra. Ele é o perfeito humano, sem pecado, dependente da vontade do Pai e submisso a ela. É também verdadeiro Deus, em honra, majestade e poder, que assumiu a humanidade e do homem teve compaixão a ponto de morrer por ele, de forma que este fosse liberto do pecado, para que pudesse viver como filho de Deus. Sua obra e propósito eterno foram e serão plenamente cumpridas. Louvado seja o Senhor por ter enviado seu Filho a mundo, para que fosse salvo todo aquele que nEle crê.
        Ao Deus triúno na pessoa do Senhor Jesus seja a glória, a majestade e a honra, antes de todas as eras, e agora, e por todo os séculos. Amém!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

O NATAL VEIO DO PAGANISMO

1) Enciclopédia Católica (edição de 1911): "A festa do Natal não estava incluída entre as primeiras festividades da Igreja... os primeiros indícios dela são provenientes do Egito... os costumes pagãos relacionados com o princípio do ano se concentravam na festa do Natal".


2) Na bíblia somente dois pecadores celebraram o nascimento “FARAÓ E HERODES”;


3) Festa introduzida por volta do séc 4º e 5º, onde a igreja católica ordenou tal comemoração na mesma data em que se comemoravam o “DEUS SOL” no paganismo.


4) Foi nos ordenado somente uma comemoração um só memorial ao Senhor JESUS, que foi a santa ceia (memória da morte e ressurreição de JESUS) - 1Co 11:24-26;


5) JESUS NÃO NASCEU EM 25 DE DEZEMBRO: Lc 2:8 – “Havia naquela mesma comarca pastores que estavam no campo. E guardavam, durante as vigílias da noite, o seu rebanho” - Não podia acontecer jamais isto no mês de dezembro, pois tiravam o rebanho em meados de OUT por causa das chuvas e frio (Esdras 10:9,13) É também pouco provável que um recenseamento fosse convocado para a época de chuvas e frio (Lucas 2:1).


6) COMO ESTA FESTA FOI INTRODUZIDA:


6.1) "Não se pode determinar com precisão até que ponto a data desta festividade teve origem na pagã Brumália “nascimento do deus-sol” (25 de dezembro), que seguia a Saturnália "o nascimento do Sol Invicto". (17 a 24 de dezembro) e comemorava o nascimento do deus sol, no dia mais curto do ano; (festa em que ricos e pobres conviviam em harmonia nesta data e bebiam e comiam e dançavam para o deus sol)


6.2) Recordemos que o mundo romano havia sido pagão. Antes do século 4o os cristãos eram poucos, embora estivessem aumentando em número, e eram perseguidos pelo governo e pelos pagãos. Porém, com a vinda do imperador Constantino (no século 4o) que se declarou cristão, elevando o cristianismo a um nível de igualdade com o paganismo, o mundo romano começou a aceitar este cristianismo popularizado e os novos adeptos somaram a centenas de milhares;


6.3) Tenhamos em conta que esta gente havia sido educada nos costumes pagãos, sendo o principal aquela festa idólatra de 25 de dezembro. Era uma festa de alegria [carnal] muito especial. Agradava ao povo! Não queriam suprimi-la.";


6.4) Constantino e a influência do maniqueísmo (que identificava o Filho de Deus com o sol) levaram aqueles pagãos do século 4o (que tinham [pseudamente] se "convertido em massa" ao [pseudo] "cristianismo") a adaptarem a sua festa do dia 25 de dezembro (dia do nascimento do deus sol), dando-lhe o título de dia do natal do Filho de Deus.


6.4.1) Em 313 d.C. Constantino, imperador de Roma, decretou o Édito de Milão, dando liberdade de culto aos cristãos e trocando, dessa forma, a perseguição pela tolerância tão desejada. Segundo uma lenda, antes da batalha de Mexêncio, ele teve uma visão da cruz contra o sol, e uma mensagem que dizia, "com este sinal vencerás". Constantino era adorador do deus Sol. De certa forma, o que temos hoje é justamente isso: a união de Mitra (Sol) e Jesus (Cruz) no Catolicismo.


E é provavelmente por isso que a Igreja Católica adotou Mitra como "padrinho" (Mitra era um deus do bem, criador da luz (por isso mesmo era associado ao Sol), já que as missas são celebradas no domingo, dia dedicado ao Sol, e aquele chapeuzinho que os papas, cardeais e bispos usam é chamado de Mitra. As "coincidências" não param por aí:


Um grande centro principal da filosofia Mitraica ficava em Tarso - Cidade natal de São Paulo - que agora é Sudeste da Turquia.


6.5) Assim foi como o Natal se introduziu em nosso mundo ocidental! Ainda que tenha outro nome, continua sendo, em espírito, a festa pagã de culto ao sol. Apenas mudou o nome. Podemos chamar de leão a uma lebre, mas por isto ela não deixará de ser lebre.


Enciclopédia Britânica diz:
"A partir do ano 354 alguns latinos puderam mudar de 6 de janeiro para 25 de dezembro a festa que até então era chamada de Mitraica, o aniversário do invencível sol... os sírios e os armênios idólatras e adoradores do sol, apegando-se à data de 6 de janeiro, acusavam os romanos, sustentando que a festa de 25 de dezembro havia sido inventada pelos discípulos de Cerinto."


7) A VERDADEIRA ORIGEM DO NATAL:


7.1- O Natal é uma das principais tradições do sistema corrupto chamado Babilônia; fundado por NIMRODE, neto de Cam, filho de Noé. O nome Nimrode se deriva da palavra "marad", que significa "rebelar".


7.2) NIMRODE foi poderoso caçador CONTRA Deus (Gn 10:9). Para combater a ordem de espalhar-se:


- criou a instituição de ajuntamentos (cidades);
- construiu a torre de Babel (a Babilônia original) como um quádruplo desafio a Deus (ajuntamento, tocar aos céus, fama eterna, adoração aos astros);
- fundou Nínive e muitas outras cidades;
- organizou o primeiro reino deste mundo.


7.3) NIMRODE era tão pervertido que casou-se com a sua própria mãe, de nome SEMÍRAMIS, no qual depois de NIMRODE morrer propagou a perversa doutrina de reencarnação de NIMRODE em seu filho TAMUZ. Ela declarou que em cada aniversário de NIMRODE (natal = nascimento),ele desejaria presentes em uma árvore, a data do seu nascimento era 25 de Dezembro (verdadeira origem da árvore de Natal);


7.4) SEMÍRAMIS se convertou na “rainha do céu” e NIMRODE sob diversos nomes se tornou o “DIVINO FILHO DO CÉU”, sendo depois de gerações de idolatria, NIMRODE se tornou falso messias, filho de Baal o deus sol e veio também através de SEMÍRAMIS a Mariadolatria;


8) A COROA DE AZEVINHO OU GUIRLANDA
Às vezes conhecida por “coroa de Natal” ou “Guirlanda” são memoriais de consagração. Em grego é “stephano”, em latim “corona” - podem ser entendidas como:- enfeites, oferendas, ofertas para funerais, celebração memorial aos deuses, celebração memorial à vitalidade do mundo vegetal, celebração das vítimas que eram sacrificadas aos deuses pagãos, celebração nos esportes. Significam um “Adorno de Chamamento” e, conseqüentemente, são porta de entrada de deuses. Razão pela qual, em geral, se colocam as guirlandas nas portas, como sinal de boas vindas! A maior parte dos deuses pagãos do Egito aparecem sempre com a “guirlanda” na cabeça! A Bíblia não faz qualquer menção de uso de “guirlanda” no nascimento de Jesus. Só existe uma guirlanda na Bíblia, e esta foi feita por Roma para colocar na cabeça de Jesus no dia da sua morte. Esta guirlanda de espinhos é símbolo de escárnio!


9 - VELAS OU LUZES
O Uso de velas é um ritual pagão dedicado aos deuses ancestrais. A vela acendida está fazendo renascer o ritual dos solstícios, mantendo vivo o deus sol. Não tem nenhuma relação com o candelabro judaico (ou Menorah). Mais recentemente, em lugar das velas passou-se a adotar velas elétricas, velas à pilha, e, finalmente, as luzes - o sentido é o mesmo!


10 – PRESÉPIO
O presépio é um altar a Baal, consagrado desde a antiga babilônia. É um estímulo à idolatria! Os adereços encontrados no chamado presépio são simbologias utilizadas na festa do deus sol. O Presépio estimula a veneração das imagens e alimenta a idolatria… Em Êxodo 20:1-6, lemos:- “Então falou Deus todas estas palavras, dizendo: Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos.”; em I Cor 10:14-15 está escrito: “Portanto, meus amados, fugi da idolatria. Falo como a entendidos; julgai vós mesmos o que digo.”. No Brasil a abertura da comemoração do Natal é feita com uma famosa “Missa do Galo”, a qual é celebrada sempre diante de um presépio, um "altar consagrado", cujas figuras estão relacionadas com a Babilônia, e não com a realidade do Evangelho.


11- O “PAPAI” NOEL E A PRÁTICA DE SE DAR PRESENTES ÀS ESCONDIDAS
O velho “Noel” não é tão bondoso e santo quanto muitos pensam! O nome “Papai Noel” é uma corruptela do nome “São Nicolau”, um bispo romano que viveu no século V. Na Enciclopédia Britânica, vol.19 páginas 648-649, 11ª edição inglesa, consta o seguinte: “São Nicolau, bispo de Mira, um santo venerado pelos gregos e latinos no dia 6 de dezembro… A lenda de suas dádivas oferecidas as escondidas, de dotes, às três filhas de um cidadão empobrecido…” Daí teria surgido a prática de se dar presentes“as escondidas” no dia de São Nicolau (6 de dezembro). Mais tarde essa data fundiu-se com o “Dia de Natal” (25 de dezembro), passando a se adotar também no natal essa prática de se dar presentes “às escondidas”, como o fazia o Saint Klaus (o velho Noel!). Daí surgiu a tradição de se colocar os presentes às escondidas junto às árvores de natal!


Os pais castigam a seus filhos por dizerem mentiras. Porém, ao chegar o Natal, eles mesmos se encarregam de contar-lhes a mentira de "Papai-Noel",


SÃO NICOLAU - O personagem Papai Noel (no Brasil) ou Pai Natal (em Portugal) foi inspirado em São Nicolau Taumaturgo, Arcebispo de Mira, no século IV, jovem rico alto e magro ao contrário do que pintam , Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco com moedas de ouro a ser ofertado na chaminé das casas. Foi declarado santo depois que muitos milagres lhe foram atribuídos. Sua transformação em símbolo natalino aconteceu na Alemanha e daí correu o mundo até chegar ao Brasil. (estórias quanto que ele aparece no natal e já fez milagres e ajudas a pessoas e crianças).


Este homem introduziu esta mentira que reina por séculos, nome Clement Clark More, um ministro episcopal, num poema intitulado de "An account of a visit from Saint Nicolas" (tradução: Um relato da visita de S. Nicolau)


11.1) COMPARATIVO DE JESUS COM NOEL:


JESUS CRISTO


NOEL


1.Tem os cabelos brancos como a lã [Apocalipse 1,14]


1. Tem os cabelos brancos como a lã


2. Tem barba [Isaías 50,6]


2. Tem barba


3. Veste um manto vermelho [Apocalipse 19,13]


3. Veste-se de vermelho


4. A hora da sua vinda é surpresa [Lucas 12,40; Marcos 13,33]


4. A hora da sua vinda é surpresa


5. Vem do norte. [Ezequiel 1,4; Salmos 48,2]


5. Vem do Polo Norte.


6. Trabalhou como carpinteiro [Marcos 6,3]


6. Fabrica brinquedos de madeira


7. Vem como o ladrão de noite [Mateus 24,43-44]


7. Vem como o ladrão de noite; entra na casa como um ladrão


8. Onipotente - o Todo-poderoso [Apocalipse 19,6]


8. Onipotente - pode entregar todos os brinquedos no mundo inteiro em uma só noite


9. É onisciente - conhece todas as coisas [Hebreus 4,13; 1 João 3,20]


9. É onisciente - sabe se a criança foi boa o má o ano todo


10. É onipresente [Salmos 139,7-10; Efésios 4,6; João 3,13


10. É onipresente - vê quando a criança está acordada ou dormindo. Precisa estar em toda a parte ao mesmo tempo para entregar todos os presentes em todo o mundo na mesma noite


11. Vive para todo o sempre [Apocalipse 1,8; 21,6]


11. Vive para sempre


12. Vive naqueles que o receberam [1 Coríntios 3,16; 2 Coríntios 6,16-17]


12. Vive no coração das crianças


13. Distribui dons [Efésios 4,8]


13. Distribui presentes


14. É a verdade absoluta [João 14,6]


14. Fábula absoluta [1 Timóteo 1,4; 4,7; 2 Timóteo 4,4]


15. Senta-se em um trono [Apocalipse 5,1; Hebreus 1,8]


15. Senta-se em um trono


16. Somos exortados a nos achegar ao seu trono de graça e a expor nossas necessidades a ele [Hebreus 4,16]


16. As crianças são convidadas a se aproximarem do seu trono e a pedir tudo o que quiserem


18. Convida as crianças a irem a ele [Marcos 10,14]


18. Convida as crianças a irem a ele


19. Julga [Romanos 14,10; Mateus 25,31-46]


19. Julga se a criança foi boa ou má


20. Pai da Eternidade [Isaías 9,6]


20. Papai Noel (Pai do Natal)


21. Menino Jesus [Mateus 1,23; Lucas 2,11-12]


21. Kris Kringle [significa Menino Cristo]


22. Digno de receber orações e adoração [Apocalipse 5,12-14; Hebreus 1,6]


22. As crianças adoram.


23. Senhor dos Exércitos [Malaquias 3:5; Isaías 8,13; Salmos 24,10]


23. Senhor de um exército de elfos [na tradição druídica, os elfos eram demônios ou espíritos das árvores]


24. Deus diz, "Eh! Eh! ... [Zacarias 2,6]


24. O Papai Noel diz "Ho, ho, ho..."


25. Príncipe da Paz, a Imagem de Deus [Isaías 9,6; Hebreus 1,3


25. Símbolo da Paz Mundial, a imagem do período do Natal


Lembre-se que uma das profecias de Jesus Cristo sobre o fim dos tempos é que o coração das pessoas estará extremamente frio com relação a ele. "E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos." [Mateus 24,12]


12) O QUE DIZ A BÍBLIA SOBRE A ÁRVORE DE NATAL:


12.1) As falsas religiões utilizaram a madeira, bem como as arvores, com fins de idolatria;


12.2) Os 4:13 - "Sacrificam sobre os cumes dos montes, e queimam incenso sobre os outeiros, debaixo do carvalho, e do álamo, e do olmeiro, porque é boa a sua sombra; por isso vossas filhas se prostituem, e as vossas noras adulteram."


12.3) Deut 16:21 - "Não plantarás nenhuma árvore junto ao altar do SENHOR teu Deus, que fizeres para ti."

12.4) Essas árvores ou pedaços de madeira serviam para adoração e culto doméstico. O pinheiro – símbolo natalino – possui a mesma conotação. FARAÓ se admirou por uma árvore e mandou trazê-la e enfeitá-la.


13) É BIBLICA A TROCA DE PRESENTES:


13.1) Biblioteca Sacra, vol. 12, páginas 153-155: "A troca de presentes entre amigos é característico tanto do Natal como da Saturnália, e os cristãos seguramente a copiaram dos pagãos, como o demonstra com clareza o conselho de Tertuliano".


13.2) O costume de trocar presentes com amigos e parentes durante a época natalina não tem absolutamente nada a ver com o cristianismo! Ele não celebra o nascimento de Jesus Cristo nem O honra!


13.3) Observam um dia em que Cristo não nasceu, gastando muito dinheiro em presentes para parentes e amigos. Porém, anos de experiência nos ensinam que os cristãos confessos se esquecem de dar o que deviam, a Cristo e a Sua obra, não só no mês de dezembro, porém não o fazem.


13.4) Vejamos o que diz a Bíblia em Mateus 2:1,11 com respeito aos presentes que levaram os magos quando Jesus nasceu:
"E, tendo nascido Jesus em Belém de Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magoS vieram do oriente a Jerusalém, ... E, entrando na CASA, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, O adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-LHE dádivas: ouro, incenso e mirra."


13.5) Porque os magos levaram o presente a JESUS? Por ser o dia de seu nascimento? De maneira nenhuma! Pois eles chegaram muitas semanas ou meses depois do seu nascimento (Mt 2:16). Ao contrário do que mostram os presépios, Jesus já estava numa casa, não numa estrebaria.
13.6) Então, os magos deram presentes uns aos outros para deixar-nos exemplo a ser imitado? Não! Eles não trocaram nenhum presente com seus amigos e familiares, nem entre si mesmos, mas sim presentearam unicamente a CRISTO;
13.7) Por que? O mencionado comentário bíblico de Adan Clarke, vol. 5, pg.46, diz: "Versículo 11 ("ofereceram-lhe presentes"). No Oriente não se costuma entrar na presença de reis ou pessoas importantes com as mãos vazias. Este costume ocorre com freqüência no Velho Testamento e ainda persiste no Oriente e em algumas ilhas do Pacífico Sul."
13.8) Aí está! Os magos não estavam instituindo um novo costume cristão de troca-troca de presentes para honrar o nascimento de Jesus Cristo! Procederam de acordo com um antigo costume Oriental que consistia em levar presentes ao rei ao apresentarem-se a ele. Eles foram pessoalmente à presença do Rei dos Judeus. Portanto, Levaram oferendas, da mesma maneira que a rainha de Sabá levou a Salomão, e assim como levam aqueles que hoje visitam um chefe de estado. O costume de trocas de presentes de Natal nada tem a ver com o nascimento do Cristo de Deus, é apenas a continuação de um costume pagão.
JESUS NASCEU EM ? Jesus Cristo nasceu na festa dos Tabernáculos, a qual acontecia a cada ano, no final do 7º mês (Iterem) do calendário judaico, que corresponde [mais ou menos, pois o calendário deles é lunar, o nosso é solar] ao mês de setembro do nosso calendário. A festa dos Tabernáculos (ou das Cabanas) significava Deus habitando com o Seu povo. Foi instituída por Deus como memorial, para que o povo de Israel se lembrasse dos dias de peregrinação pelo deserto, dias em que o Senhor habitou no Tabernáculo no meio de Seu povo (Lev 23:39-44; Nee 8:13-18 ).
14- UM "NATAL CORRIGIDAMENTE CRISTÃO" PODERIA REALMENTE HONRAR A CRISTO?
14.1) Há pessoas que insistem em que, apesar das raízes do Natal estarem no paganismo, agora elas não observam o Natal para honrarem um falso deus, o deus sol, senão para honrarem a Jesus Cristo. Mas diz Deus:
"Guarda-te, que não te enlaces seguindo-as, ...; e que não perguntes acerca dos seus deuses, dizendo: 'Assim como serviram estas nações os seus deuses, do mesmo modo também farei eu.' Assim não farás ao SENHOR teu Deus; porque tudo o que é abominável ao SENHOR, e que Ele odeia, fizeram eles a seus deuses; ...". (Deut 12:30-31)
"Assim diz o SENHOR: 'Não aprendais o caminho dos gentios, ... Porque os costumes dos povos são vaidade; ...'" (Jr 10:2-3).
Deus disse-nos claramente que não aceitará este tipo de adoração: ainda que tenha hoje a intenção de honrá-Lo, teve origem pagã e, como tal, é abominável e honra não a Ele mas sim aos falsos deuses pagãos.
Deus não quer que O honremos "como nos orienta a nossa própria consciência":
"Deus é Espírito; e importa que os que O adoram O adorem em espírito e em verdade". (Joã 4.24).
"Mas em vão me adoram, ensinando doutrina que são preceitos dos homens." (Mt 15:9).
A comemoração do Natal é um mandamento (uma tradição) de homens e isto não agrada a Deus.
Nem precisamos elaborar: quem pode deixar de ver nauseabundos (nojentos, nojo, vômitos) comercialismo, idolatria, e contemporização, por trás do "Natal"?... E que diz Deus? Devemos "adaptar e corrigir o erro"? Ou devemos praticar "tolerância zero, separação total"?
"Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas." (Ap 18:4)

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Porque o mal nos atinge


João - 16 - 33 : 33
Nunca fiz mal a ninguém. Sou crente fiel. Mas porque Senhor?
(No mundo tereis aflições).

Quero colocar 4 motivos principais “porque o mal chega até nós”

1ª- HUMANIDADE ; (Sou humano) O sol nasce para todos. Mt 5;45 – Ecl 9;12 Tudo sucede igualmente a todos.
Somos humanos, o mal acontece a todos. Alguns acham que é Maldição Hereditária. Outros dizem só acontece aos pecadores. Lc 13;3 (diz o Senhor.)

2ª- AÇÃO SOBERANA DE DEUS ; (Permissão de Deus) Através de provações, ele nos corrige. Jó é exemplo. Jó 5;17 Devemos aceitar a correção. Hb 12;5.7 Ele corrige a quem ama.

3ª- AÇÃO DE SATANÁS ; II Co 2;11 Não o ignore. (ele é bom naquilo que faz) Sua missão; matar, roubar e destruir. Jo 10;10 Não devemos dar (brécha) lugar ao Diabo. Ef 4;27 Vigiai. I Pe 5;8.9

Dragão= Asas de àguia (agilidade) – Patas de leão (força) – Calda de serpente (sagacidade)

4ª- ESTILO DE VIDA ; Gal 6;7 Não vos engane, tudo que plantar, irá colher.
Quem bebe demais, o fim é cirrose. O fumante = câncer. O homossexual = aids O valentão = sempre Achará outro + valente – morte. O marido quebra tudo em casa, bate na esposa e ela abandona o lar. Não adianta colocar a culpa no diabo. O empregado não é esforçado, vive chegando atrasado. = Na hora de cortar os gastos o patrão vai mandar quem embora? - Fui despedido, acho que é perseguição porque sou crente. Que testemunho!
tenho que ser exemplo. caso contrário sofrerei as consequencias. Se ultrapassar
a velocidade permitida. =Levo multa, correndo risco de acidente. Se gasto mais do que ganho.= SPC. Se comer demais, principalmente à noite.= Problemas no aparelho digestivo. (glutonaria)
– Coma para Matar a fome e não para passar mal. – Gosto de uma picanha gordinha.= colesterol alto. Etc...
A solução Onde está... Há casos que nem corrente de oração adianta.
“Podemos escolher o que semear, (livre arbítrio) mas somos obrigados a colher o que plantamos.¨”O que plantar isso irás colher.

A SOLUÇÃO É DEUS, Só ele pode mudar a tua história. Ex. povo de Israel. Deus abriu o mar. No deserto, deu agua da rocha, maná do céu, suas roupas não envelheceram. De dia, para proteger do sol deu-lhes uma nuvem.

A noite para os proteger do frio deu-lhes uma coluna de fogo.

DEUS INTERFERE NA NATUREZA PARA NOS AJUDAR. Somos povo seu... Elias em época de estiagem (fome) Deus manda os corvos o alimentar.

I Re 17;6 DEUS MOVE O SOBRENATURAL.
Seguro estou. O malígno não pode nos tocar. 1 Jo 5;18,19 Não importa o que tu já fez no passado, o senhor pode agir a teu favor. NÃO MPORTA A ORIGEM DO MAL. O que importa é que DEUS TEM PODER. Alguem já te rotulou dizendo; esse já não tem mais jeito!. Só o Senhor tem poder para Quebrar toda a maldição, Tem poder para cortar todo o mal. Não diga, não tem solução. Não posso!.. TUDO POSSO NAQUELE QUE ME FORTALECE. Fil 4;13 Para tudo tem solução, com Cristo venceremos. SE DEUS É POR NÓS, QUEM SERÁ CONTRA NÓS. Rm 8;31 O senhor te dará força Para vencer. Rm 8;18 – “ DEUS TEM PODER PARA INTERFERIR EM TODO O PROCESSO DA TUA VIDA” Só ele pode mudar a tua história. 1 Pe 5;10 E o Deus de toda graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória,
Depois de haverdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, confirmar e fortalecer.
A ele seja o domínio para todo o sempre. Amem

sábado, 14 de novembro de 2009

Não sejamos egoístas,

VIVENDO COM DEUS
Essa história, pode ter acontecido há muito, muito
tempo atrás .... ontem ... ou quem sabe ....
agora mesmo, esteja acontecendo !!
Era uma vez, um homem que estava a procura de emprego.
Durante o dia todo andou pela cidade,procurando por trabalho.
Muito cansado, parou em frente a um supermercado.

Percebeu que um homem olhava para ele, parecia ser o dono.
 Se aproximou e disse: - Amigo, estou andando o dia inteiro,
não tenho nenhum dinheiro mas estou com muita fome,
o senhor poderia me dar algo para comer ?

O homem  com um olhar de desprezo o mediu dos pés a cabeça e disse:
- Eu não posso matar a fome de todos que batem a minha porta e  também não tenho culpa pela situação do povo.

Estou trabalhando
para minha velhice e se der alguma coisa, com certeza me fará falta.
O homem, muito triste abaixou a cabeça e foi andando,
sem forças e sem destino algum, até que chegou a uma praça.
Num dos bancos, uma pessoa estava ouvindo rádio e comendo um apetitoso lanche .

Ele se aproximou, sentou , e sem que pedisse, essa
pessoa simplesmente lhe ofereceu um pedaço dizendo:
- Sente ao meu lado, descanse e ouça um pouco de música.
Por longo tempo, ficaram assim, em silêncio.
Já anoitecia, quando de repente a música foi cortada
e entrou  uma mensagem urgente, dizendo que tinha ocorrido
um grave acidente e a vítima estava correndo perigo de vida por precisar de um sangue raro que estava em falta no hospital da cidade.


Ao ouvir o tipo de sangue não pensou duas vezes,
saiu correndo para o hospital. Ao chegar, muito cansado,
disse ao médico:-Só espere que eu recupere as minhas forças e pode tirar o necessário para que a pessoa  que esta precisando não morra.
Enquanto ele estava sendo preparado para a doação,
notou que conhecia a pessoa que iria receberseu sangue, e por ironia do destino era simplesmente,
o dono do supermercado!

Não sejamos egoístas,
guardando tudo prá nós mesmos,
talvez, não tenhamos tempo para usar !!
Lucinio e Nanci



Vivendo Para Deus

MEDITE: Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem. Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui feito, e entretecido nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia. Salmo 139: 14-16

Como é maravilho encontrar pessoas que conviveram conosco no passado. Vivificar a memória com fatos que marcaram a nossa vida. Isto sempre acontece quando nas viagens pelo país passamos por Contagem-MG e encontro as minhas irmãs. Como é gostoso tomar um cafezinho mineiro e relembrar os momentos inesquecíveis que foram tão importantes e tatuaram a nossa vida e redirecionou-a à um propósito de Deus, afim de vivermos como Deus quer que vivamos.
A impressão que temos é que Deus não nota estes momentos, principalmente aqueles momentos de dificuldades, quando o futuro a nossa frente parece sombrio e ameaçador, e quase sempre surge uma pergunta: onde estava Deus?  As recordações podem trazer lembranças adormecidas que nos fazem chorar, sofrer. É possível que em nossas lembranças começamos a imaginar que a vida não tem sentido e que somos obra do acaso, ou, que nascemos acidentalmente.
Já me senti assim ao refletir sobre os anos do meu desenvolvimento, muitas vezes sentia-me rejeitado, desqualificado, incapaz, revoltado e não conseguia perceber a mão de Deus em minha vida. Estes sentimentos se aninha em nosso coração quando da nossa chegada a este mundo, chegamos em uma casa com muitas dificuldades financeiras, e assim, seremos capazes de conhecer e experimentar o sofrimento, tristezas, mágoas e insegurança desde os primeiros dias da nossa existência.
Em certo momento da minha vida aprendi que Deus usa estes momentos de aparente acidente, rejeição para dar significado a nossa vida, e de repente estas coisas de aparência tão ruim, tão constrangedora, entristecedora começam a alinharem-se como peças de um tabuleiro, e passamos a compreender que Deus tem razão e propósitos eternos para que eu e você estivéssemos vivos. Embora a vida não tivesse dado tudo o que eu queria Deus não tinha ainda terminado sua obra em mim.
Deus não comete erros. Ele é capaz de pegar a sua vida, com todos os sofrimentos, com todas as suas dores, com todas as oportunidades perdidas, com todos os seus remorsos, com toda a sua rejeição e revolta e usar você para a glória dEle. É Deus que fará isto, não sou eu, não tenho condições, capacidade para tal ato. Este negócio de sair por aí procurando o propósito de Deus está errado. Porque o realizar, o efetuar é de Deus e somente Ele tem capacidade de transformar a nossa vida e fazer dela instrumento de louvor e de glorificação ao Senhor. Eu não tenho essa capacidade e ninguém tem. Deus é Deus e porque é Deus, pode todas as coisas.
Certamente que no seu  íntimo, você deve saber que isso é verdade e de fato temos de confie em Deus. Confiar sem reserva alguma, crendo que Ele se encarregará da tua vida e fazer dela um instrumento para a glória dEle.
Diariamente Deus estará transformando a sua vida segundo a vontade dEle, e você verá isto, verá Deus moldando você, de acordo com a vontade dEle, a cada dia transformando com aquilo que você é capaz de suportar, para que no final você seja um vaso de honra, santificado e útil aos propósitos dEle, preparado para todo boa obra.

PENSE: Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno. Salmo 139: 23-24
ORE: Senhor! Graças te dou pela forma como tu me teceste, me formaste. Te agradeço por Teu governo sobre a minha vida, e como tão perfeito tens feito tudo. Quero te adorar e glorificar o Teu nome todos os dias da minha vida. Em nome de Jesus. Amém!
Com carinho!
Rev. Ashbell Simonton Rédua
Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil

Teólogo Presbiteriano, Graduado em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, especializado em Capelania pela Seminário Teológico do Nordeste, revalidado Teologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Pos-graduando em Direito Ambiental pela Gama Filho e graduando em Direito pela Faculdade Morais Junior - Mackenzie Rio.

domingo, 18 de outubro de 2009

Cuidando da Insatisfação dentro da Igreja evangélica

O corvo e a águia
Quem é que ainda não reclamou ou comentou sobre alguma coisa dentro da sua Igreja, principalmente, nos dias atuais em que há muitas novidades e mais liberdade de costumes? A insatisfação é como uma moeda de duas faces. Se você não tomar cuidado, pode entrar por um caminho perigoso e perder a alegria da sua salvação.

É muito comum voltar da Igreja para casa, hoje, com um "cesto" de assuntos não muito cristãos, para dizer o mínimo. Boa parte dos crentes não está indo à casa de Deus para adorar, senão para observar e colher as (más)novidades. Conscientemente ou não.

Quando saímos da posição de adoradores para "observadores" as coisas se complicam. Primeiro isso não agrada a Deus. Seria como uma oferta defeituosa. Acho mesmo que nem oferta seria. Veio à mente uma imagem: mãos vazias. Depois cultuar de mãos vazias, parafraseando a Bíblia, seria como enterrar o único talento. Talento enterrado. Adoração negativa. Sem pensar nisso você estaria ofendendo a Deus indo ao culto sem nada para oferecer; entristecendo o Espírito Santo.

Uma atitude crítica com respeito à vida dos outros. Do pregador, do pastor, da mocidade, das senhoras, das crianças. Do estacionamento, do banco pouco confortável, do secretário, do irmão das conversas paralelas durante o culto. Um arsenal completo não da armadura do cristão, mas do crítico anticristão. Quem se age desta maneira dificilmente vai perceber que se comporta assim.

É por isso que muitos de nós não têm mais prazer de ir ao culto. Não ouve mais a voz de Deus nada dentro da Igreja. Já entristeceu tanto o Espírito Santo, que não recebe mais nada. E não recebe nada por que não veio oferecer nada. Outra imagem de pregações antigas: um vaso de boca para baixo.

Antes de mudar de Igreja, seria muito bom fazer uma pequena anamnésia. Por que eu estou insatisfeito com minha Igreja? Tenho sido um adorador ou um crítico? Minha vida é um sacrifício vivo de adoração a Deus ou só penso em adorar quando vou ao culto? Como estou diante de Deus? Carrego de volta para casa depois do culto tudo o vi de ruim ou ocupo meu tempo comentando como foi bom o culto? Dependendo da resposta, mesmo que mude de Igreja sua insatisfação vai segui-lo/a. E aí?

Eu não creio que seja fácil mudar um comportamento crítico enraizado. Eu me humilharia diante de Deus e evitaria conversar sobre assuntos da Igreja DIUTURNAMENTE com pessoas com o mesmo defeito. Hoje, com tanta liberdade, e tantas Igrejas, e tantos pastores, uma doutrina mais ortodoxa afasta pessoas. Muitas coisas são relevadas e não há, talvez, uma preocupação em ensinar e repisar este assunto. Outra imagem volta a minha mente: a oferta de Abel e a oferta de Caim.

Caim caiu da graça e chegou ao ponto de matar seu irmão por um problema acontecido na adoração. Não sei que tipo de oferta os dois levaram. Mas um deles pensou que eliminando o irmão iria resolver o problema da oferta. E o problema não estava no irmão, mas na forma de cultuar de Caim.

E assim, por causa da insatisfação você pode fazer muitas coisas. Acho que entre todas elas apenas é a melhor. Resolva este problema em oração com o Senhor Jesus. Converse com Ele. Chore na presença Dele. Desabafe suas mágoas e mesquinharias com Ele. Se você fizer assim vai resolver a raiz de muitos males. Se você é cristão e anda insatisfeito com tudo, principalmente com a sua Igreja, tome cuidado. Os santos da sua Igreja são mesmo pessoas com um variado leque de defeitos. A palavra de Deus pode limpá-los, deletá-los. Pedro perguntou: Senhor, até quantas vezes devo perdoar meu irmão - sete vezes? Ao que Jesus respondeu: Não apemas sete vezes, mas 70 x 7 - 490 vezes - por dia!

A falta de perdão é como a louça suja que vai acumulando na pia, dia após dia. Da mesma forma que produz uma insatisfação insuportável chegar em casa e verificar que tem louça por lavar há mais uma semana, um coração que tenha o mau hábito de guardar e comentar tudo o que de ruim se passa na Casa de Deus vai acabar mesmo muito insatisfeito, vazio do Espírito. Um vaso sujo, que precisa ser limpo pelo melhor bombril que existe: o perdão do Senhor Jesus Cristo.

Não dê "mole" para a insatisfação. As vítimas podem ser você e sua família.

O melhor desta terra, nane Azevedo




Nani Azevedo - O Melhor desta terra

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Deus responde orações

"Deus responde orações"


Monte das Oliveiras - Jerusalém
"Eu suponho que não exista nos lábios cristãos nenhuma palavra tão freqüentemente dita nos dias atuais como a palavra “oração” e não haja ninguém neste Hall, que não pensou muitas vezes durante as últimas quarenta e oito horas na importância de orar.

Durante esta semana de oração, são muitos os que não apenas estão pensando, mas falando a respeito disso. Quando há um interesse especial e um despertamento na comunidade sobre o assunto religioso, então muitos cépticos e infiéis, muitos meros professores de cristianismo – e nós não os julgaremos – começam a falar contra a oração.

Eles dizem: “O Criador deste mundo não vai mudar seus planos por causa dessas orações. O mundo segue em frente. Você não pode persuadir a Deus para mudar Sua mente e Sua conduta”. Você ouve isso de todos os lados. Os jovens convertidos ouvem isto. Eu não tenho dúvidas de que muitos estão vacilando e quando se ajoelham ainda dizem: "De fato Deus responde a oração? Existe algo de verdade nisso?

Eu creio que nesta semana de oração seria muito bom tomar a palavra “oração” e percorrer suas pegadas através da Bíblia. Não vamos ler sobre qualquer outra coisa. Eu penso que vocês ficariam perfeitamente assombrados se eu tomasse a palavra “oração” e contasse onde estão registrados os casos de pessoas orando e Deus respondendo suas orações, na Bíblia.

Muitos acham que são apenas os completamente justos e puros que oram. Mas vocês devem se lembrar daquele que orou desta forma, “ Senhor, lembra-te de mim, quando estiveres em Teu Reino”. Vocês também se lembrarão que Cristo respondeu a oração do ladrão moribundo.

Nós não podemos a não ser concordar que todo homem de Deus citado na Bíblia era um homem de oração. Vocês têm, por isso, uma autoridade e encorajamento para pedir a Deus que ouça suas orações e suas orações em favor de outros, como nós diariamente ensinamos para fazer. Muitos estão surpresos com estes pedidos. Mas muitas mães e pais estão regozijando-se porque eles os enviaram para cá. As orações oferecidas aqui têm sido respondidas e seus filhos têm sido salvos.

Noite passada eu estava mais convicto em minha visão mais do que nunca a respeito do poder da oração. “Isto é muito excitante” alguns dizem, “Apelos sérios só funcionam quando tocam o sentimento das pessoas e movem seus impulsos fazendo-as inquietas e ansiosas.” Agora, por exemplo, não foi nada dito na noite passada digno de menção, e eu nunca estive mais desgostoso comigo mesmo do que no domingo à noite. Parecia como se eu não pudesse pregar o Evangelho, como se minha língua não conseguisse falar. Mas mesmo assim o número de decisões foi extraordinário.

Na noite passada, quando não havia ninguém falando em absoluto, e assim que eu entrei e perguntei se algum decidido poderia seguir-me para dentro da sala de decisão, tomando uns poucos comigo, e esperando voltar e levar mais alguns, quando eu vi estes, o número era tão grande que saí sem dizer de que não precisavam retornar. Vi centenas de decididos na última noite, e houve de 50 a 70 que ainda ficaram de fora, porque tive que fechar a porta, pois seria impossível de atender a todos.

Muitos dos que não estiveram nas reuniões, converteram-se em seus próprios lares. Deus está trabalhando, não nós. Oh! que bom seria se nós pudéssemos continuar com o rosto no pó e cada um de nós ficasse fora do Seu caminho, para deixar apenas Deus trabalhar. Seria bem mais fácil para Ele entrar em cada habitação em Edinburgo, e para convencer e converter dez milhares de almas.

Examinem Filipenses 4:6 “Não estejais inquietos por coisa alguma, mas em tudo dai graças – marquem bem isto: pela oração e súplica, com ações de graças, deixem as vossas petições serem conhecidas diante de Deus. Ele não diz que responderá a todas, mas diz: E a paz de Deus, que excede a todo entendimento, guardará vossos corações e vossas mentes em Jesus Cristo.”

Ele nos diz para fazer nosso querer conhecido, para fazer nossas petições conhecidas dEle, pela oração e súplica. É certo vir e fazer nossas petições conhecidas. Ele nos tem dito para vir e orar pela conversão das almas.

É dito por muitas pessoas que Deus não faz nada de extraordinário em responder orações; que o Deus da natureza continua em frente e nunca muda seus decretos. Leiam em II Reis, os seis primeiros versos do capítulo 20, e vejam: Naqueles dias estava Ezequias doente para morrer. E o profeta Isaías, filho de Amós, veio até ele e disse-lhe: “Assim diz o Senhor, põe a tua casa em ordem, porque tu morrerás e não viverás. Então ele voltou sua face contra a parede e orou ao Senhor, dizendo: Eu imploro a Ti, Ó Senhor, lembra de como andei diante de Ti em verdade e com um coração perfeito, e fiz o que era bom a Tua vista. E Ezequias chorou muitíssimo. E aconteceu que Isaías ainda não tinha saído do meio da corte, quando a palavra do Senhor veio a ele dizendo: Volta e dize a Ezequias, o capitão do meu povo: Assim diz o Senhor, o Deus de Davi, teu pai, Eu ouvi a tua oração, e vi as tuas lágrimas, eis que eu sararei a ti, e ao terceiro dia subirás à Casa do Senhor e eu adicionarei aos teus dias mais 15 anos; e Eu livrarei a ti e a esta cidade das mãos do Rei da Assíria; e Eu defenderei esta cidade por amor de Mim, e por amor de meu servo Davi.

Isto não foi uma resposta direta à oração?

Ezequias estava tão somente orando por sua vida; nós estamos reunidos aqui para orar pela vida de outros, e não pelo que é temporal, senão pelo bem estar eterno. Ele não estava orando pela causa de Cristo como nós estamos fazendo, mas nós podemos vir hoje e pedir a Deus para salvar as almas dos homens em nome de Cristo, não em favor de nossa causa, mas pela causa de Seu mui amado Filho. Ele ama exaltar este Filho, e ver Cristo exaltado. Nós podemos entrar na Sua presença agora e pedir a Ele para salvar as almas, que isto vai trazer glória e honra ao Filho do Seu seio, e glória e honra para o Filho, que ele se deleita exaltar. "Eu irei", Ele diz para Ezequias, "Defender a cidade por amor de mim, e por amor de meu servo Davi". Isto é apenas um caso.

Veja também Daniel orando. Foram suas orações que trouxeram de volta os judeus para Jerusalém. Foram suas orações que levaram Nabucodonozor a conhecer o Deus de Israel, e foram elas que trouxeram Gabriel do céu para dizer-lhe que era grandemente mui amado. Ele tinha poder com Deus.

Veja também como Deus respondeu às orações de Jacó e às de Isaque. Por toda a Bíblia nós temos registros de respostas de orações. Seria terrível pensar que Deus não tem prazer em responder orações.

Voltem ao capítulo 20 de II Crônicas. Ali nós lemos que os moabitas, os amonitas e outros subiam contra Josafá; ele estava com medo e se pôs a buscar o Senhor, e que mais tarde Judá se ajuntou também para pedir ajuda ao Senhor. É isto que nós queremos – buscar a Deus não apenas aqui nesta assembléia pública, mas sozinhos. Se você tem um amigo não convertido e está ansioso que ele deveria ser salvo, vá e diga isso em secreto a Jesus, e se a bênção não vier - igual a Josafá - gaste alguns dias em jejum, e oração e se humilhação.

“Se o mal vier sobre nós, como a espada, juízo, pestilência ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa, e na Tua presença e clamaremos diante de Ti em nossa aflição, e então Tu nos ouvirás e nos ajudarás.

Quando eu sair pelas ruas, e vir as terríveis perversidades, e blasfêmias, e embriaguês que estão no meio delas, e parecer tudo escuro, mas eu ainda posso olhar para cima e pensar que Deus pode repreender estas negras ondas do pecado e iniqüidade. Vamos orar para que Deus queira abençoar esta pátria [o Brasil], abençoar e salvar todo o povo [brasileiro]. Seria algo gandioso para nós, mas muito pequeno para Deus. Que o Senhor possa dar-nos fé!"